WHAT'S NEW?
Loading...

[FOTOS] Boeing 767 da ABSA com winglets em MAO



Na manhã de sábado pousou em MAO o primeiro Boeing 767-300(ER) com winglets da ABSA Cargo (PR-ABD). Procedente de Miami, a aeronave pousou às 0930LT e partiu rumo à Montevidéu às 1100LT.

Além do ABD, encontrava-se em solo o outro 767 da ABSA (PR-ABB) além de um MD-11 da World Airways e um DC-10 da Master Top Airlines.

Aeroportos fechados no sudeste causam atrasos em Manaus


A forte neblina que atingiu alguns estados das regiões Sul e Sudeste causou fechamento de diversos aeroportos e com isto, vários vôos com destino principalmente ao aeroporto de Guarulhos foram alternados para outros aeroportos. Com isto, ocorre uma reação em cadeia que gera atrasos nos vôos em todo o país.

Em Manaus não foi diferente, já que dos 42 vôos programados 14 (33,3%) atrsaram e um foi cancelado. Os que tiveram maior atraso na chegada foram justamente os GRU-MAO operados por TAM e Gol: o JJ3748 pousou às 15:41LT (horário normal 12:20LT), enquanto que o G3 1640 pousou às 17:00h (horário normal13:05LT).

Boeing 777 da LAN pousa em MAO no sábado


Está previsto para a madrugada de sexta para sábado o pouso de um Boeing 777-200(F) da LAN Cargo em MAO. Segue a programação em hora UTC (subtrair 4 horas para o horário Manaus):

L7-1501 ETD MIA 29/08/2009 01:30Z - ETA MAO 29/08/2009 06:18Z
L7-1501 ETD MAO 29/08/2009 08:18Z - ETA UIO 29/08/2009 11:19Z

[FOTOS] Primeiro Boeing 777-200(F) da FedEx



Vazaram na rede as primeiras fotos do primeiro Boeing 777-200(LR)(F) da gigante americana do transporte de cargas expressas FedEx. Os registros, feitos na fábrica da Boeing em Everett, WA, exibem o primeiro dos 15 aviões encomendados pela companhia.

A FedEx encomendou um total de 15 unidades da versão cargueira do Boeing 777, a qual é baseada na versão de passageiros -200LR (long range) , de ultra-longo alcance. O 777-200(F) possui peso máximo de decolagem de quase 348 toneladas e seus dois motores General Electric GE90-110B1L possuem autonomia de 9045 quilômetros a uma velocidade de cruzeiro de Mach .84 (896 km/h).

O 777-200(F) já está operando na Air France Cargo e na Lan Cargo, inclusive já tendo operado em Manaus nas cores da empresa chilena.

MD-11(F) da World Airways Cargo em MAO



Um McDonnell Douglas MD-11(F) da World Airways Cargo esteve no SBEG hoje, operando vôo para a Arrow Cargo. A aeronave, matriculada N275WA, pousou às 1035LT procedente de KMIA e decolou rumo à Lima (SPIM) por volta das 1300LT.

[VIDEO] Pouso do DC-8 da Beta Cargo em Manaus



O Blog exibe hoje um vídeo do cockpit de um DC-8 da Beta Cargo pousando na pista 10 do Aeroporto Eduardo Gomes. O vídeo é de autoria do já conhecido Comandante Artur, apresentador do programa Voe Comigo.

A Beta Cargo surgiu em maio de 1996 após o fim da Brasair (fundada em 1994), operando na rota Campinas-Manaus-Campinas com um único Boeing 707-300C. A chegada do primeiro Douglas DC-8-73(F), matriculado PP-BEX, se deu em 2002 e durante seis anos a Beta utilizou em seus vôos ambos os clássicos quadrijatos americanos: o 707 e o DC-8.

O ano de 2008 marcou o final das operações civis do Boeing 707 no país e com isto a Beta padronizou sua frota com quatro Douglas DC-8-73(F): PP-BEX, PP-BET, PP-BEL e PP-BEM. O quarteto de jatos foi fabricado no ano de 1969, sendo originalmente da série 63 (dotados de motores Pratt & Whitney JT3D). A conversão para série 73 se deu em 1984, quando os motores originais foram substitídos pelos CFM56-2C e foi realizada pela Bendix Corporation.

Uma outra característica em comum dos quatro DC-8 da Beta é que todos foram construídos para atender uma encomenda da tradicional empresa cargueira americana Flying Tigers, que utilizou os aviões até meados dos anos 80. (foto por Michel Gilland)

[FOTOS] Spotting session 23/08/2009

O Blog mostra agora alguns dos registros fotográficos de aeronaves que operaram em MAO neste domingo, com destaque para o Lockheed C-130 Hercules da Força Aérea Americana que pousou às 2030LT.

US Air Force Lockheed C-130 Hercules

VarigLog Boeing 757-200(F)

Trip Embraer 175

Varig Boeing 737-800

Aviation Classics [6]: DC-10 da Varig em Manaus


Varig
McDonnell Douglas DC-10-30 "Intercontinental"
PP-VM*
Foto por Rogerio Ruiz

A Varig, em seus áureos tempos, sempre teve uma posição privilegiada e de dominância em suas operações em Manaus. Diversos vôos eram operados pela Pioneira em terras barés, fossem eles domésticos ou internacionais: a Tabatinga, Miami, Fortaleza, Brasília e muitas outras cidades era possível chegar em vôos sem conexão partindo do Eduardo Gomes.

No entanto não havia maior símbolo do domínio da Varig em Manaus do que a presença de seus widebodies estacionados nos gates D, E e F de nosso aeroporto. Transbrasil, Vasp, Cruzeiro e posteriormente a TAM também traziam seus equipamentos de fuselagem larga, mas ninguém ficava indiferente quando via lá do alto do terraço os Boeing 747, DC-10 e anos depois os Boeing 777 e MD-11 nas cores da Estrela Brasileira.

A foto, de autoria do nosso colaborador Rogerio Ruiz, foi tirada de dentro de uma aeronave (provavelmente da Varig) a qual estava fazendo a curva para estacionamento no gate Fox, e mostra um dos DC-10-30 da Varig parado no gate Delta. Vale a lembrança de outros dois detalhes adicionais: um Boeing 727-100 parado no pátio dos hangares e o terraço panorâmico ainda sem a cobertura metálica instalada no final da década de 90.

Baú do Aragão: cabine do Boeing 767 da Transbrasil


Nosso colaborador Montana Aragão dá as caras mais uma vez no blog com uma foto de sua coleção, agora mostrando o próprio Montana dentro da cabine de um dos Boeing 767-200 da Transbrasil. Na foto acima o Montana posa dentro da classe econômica do 767, cuja configuração era a padrão da aeronave: 2-3-2.

No entanto hoje esta imagem representa uma época que a cada dia fica mais esquecida, na qual voar era sinônimo de um melhor conforto dos assentos e de um serviço de bordo de melhor qualidade; assim como tais serviços já não existem, também os céus brasileiros estão privados do colorido arco-íris dos aviões da TBA

[VIDEO] Vôo panorâmico no Cessna Caravan (parte 2)



O Blog publica hoje mais um vídeo do vôo panorâmico realizado há quase um ano no Cessna Grand Caravan PP-ITZ pertencente à Amazonaves, mostrando a decolagem da pista 11 do Aeroclube de Flores.

Flare é utilizado em aeronave de transporte pela primeira vez na Amazônia

O flare, eficaz arma de defesa consagrada nos caças de terceira e quarta geração, foi utilizado pela primeira vez na Amazônia durante treinamento realizado (5 de agosto) pelo Primeiro Esquadrão do Nono Grupo de Aviação (1º/9º GAv).Desenvolvido para o lançamento de múltiplas cargas térmicas com a finalidade de desviar mísseis termoguiados, lançados por aeronaves inimigas em um teatro de operações real, o flare foi lançado pelo C-105 Amazonas, aeronave de transporte aerologístico que emprega essa tecnologia no Brasil.

Fonte: BAMN


[MEMÓRIA] Primeiro Vôo do A330 da TAM em MAO

O Manaus Spotting Team faz uma viagem para um passado não muito distante, 14 de Abril do ano 2000 no qual recebemos a visita do Airbus A330 da TAM prefixo PT-MVD o 4º da frota. O vôo na verdade não foi regular e sim um fretamento.

MVD no gate D


Pessoal do ground handling


Foto tirada pelo amigo Montana Aragão


[FOTO DO DIA] 767 -300 da LANCO CARGO





















LANCO - Línea Aérea Carguera de Colombia SA é uma companhia aérea cargueira subsidíaria da LAN Chile baseada em Bogotá. Sua base principal é o Aeroporto Internacional El Dorado. A Lanco possui um 767-316F ER de prefixo N418LA .

[Flight Report] GRU-EZE-GRU pela British Airways, por Fernando Canteras 1ª Parte

Senhores, apresento um Flight Report feito pelo nosso amigo e colaborador do Manaus Spotting team Fernando Canteras. Em um vôo feito no trecho GRU/EZE/GRU a bordo do Boeing 747-400 da BRITISH AIRWAYS. Vamos parar com a conversa e vamos ao Reporte.


Vinte e quatro de abril de 1982. Argentina e Inglaterra disputavam no campo de batalha a posse de um pequeno conjunto de ilhas localizado no Atlântico Sul. Falkland Islands para os ingleses, Islas Malvinas para os argentinos, o fato é que a guerra acabou em 14 de junho do mesmo ano com a rendição das tropas argentinas em Port Stanley (ou Puerto Argentino) e um saldo de mais de 900 mortos de ambos os lados, sobretudo jovens cadetes argentinos com recém completados dezoito anos mandados covardemente para as ilhas pela ditadura militar desse país sem treinamento ou estrutura alguma.

Vinte e quatro de abril de 2009. Vinte e sete anos depois dos acontecimentos de 1982, estou cruzando o Rio da Prata a meros vinte minutos de aterrizar no aeroporto internacional de Ezeiza em Buenos Aires e a bordo de um avião comercial inglês, um majestoso 747-400 da British Airways levando a orgulhosa Union Jack, símbolo da terra da rainha, na sua cauda. A bordo, felizmente nem soldados nem armas e sim pacatos viajantes de negócios e turistas como eu. Comissários argentinos e britânicos trabalham em conjunto para atender os passageiros nesse voo BA247 que regularmente liga as capitais dos países um dia beligerantes, Londres e Buenos Aires, com escala em Guarulhos deixando a esperança que se um dia os dois países voltarem a se enfrentar que seja em um campo de...Futebol!!

Este era também o início de minha viagem à Argentina, uma viagem de quase dez dias passando por Buenos Aires, Gualeguaychu, Basalvibaso, Concepción del Uruguay, Santa Fé, Rosario e Mar Del Plata que planejei por quase um ano e que contarei a vocês em três reportes, este sobre os voos de ida e volta de São Paulo para a capital portenha incluindo um “tour” pela mesma e os outros dois contando sobre as aventuras aeronáuticas (e também terrestres) pelo interior argentino.

Como já havia voado a Buenos Aires pela Lan, Pluna e Aerolineas Argentinas e já também que pelas brasileiras posso viajar aqui dentro mesmo, a escolha da empresa aérea para realizar os trechos GRU/EZE e EZE/GRU inicialmente recaiu sobre a alemã Lufthansa, porém com o cancelamento da operação desses trechos por parte da empresa germânica a opção seguinte foi a escolhida, a British Airways, “The World’s Favourite Airline” como já foi o slogan da companhia.

Em vinte de outubro de 2008 e já tendo economizado o suficiente para o bilhete, aproveitei um dia de spotting no aeroporto de Guarulhos para comprar a passagem direto no escritório da British Airways onde fui gentilmente atendido e logo tinha em mãos o comprovante de pagamento com o código da reserva. Infelizmente peguei o dólar alto, mas tudo bem, iria pela primeira vez voar na empresa inglesa e melhor, em um 747-400!!! Agora era guardar a passagem na gaveta e aguardar cinco meses até o dia 24 de abril de 2009.



E o dia vinte quatro de abril chegou!! Dias antes havia recebido um “pre-flight services email” da empresa avisando de serviços que estariam a minha disposição como o online check in, o duty free a bordo e a possibilidade de se pedir refeições especiais, entre outros, tudo com links para o excelente site da British Airways que possui diversas informações sobre a preparação para a viagem (guias dos destinos, informações sobre passaportes e vistos, etc...) , sobre o voo em si (entretenimento, duty free, refeições, saúde e bem estar e dados da frota de aeronaves) e muito mais. Bastante completo o site.

Dia vinte e três recebi outro email da empresa dizendo que faltava menos de um dia para meu embarque e que a British Airways estava ansiosa para receber-me a bordo. Outra vez o email convidava a usufruir dos serviços preparatórios para a viagem que a empresa oferece, online check in, baggage tips, view onboard entertainment, o High Life Shop online e ainda a possibilidade de se imprimir minhas informações personalizadas de viagem com voos, horários e franquias de bagagem. Novamente muito profissional!!

De todos esses serviços eu efetivamente usei o check in online para poder reservar assento, afinal minha janelinha seria imprescindível para a realização dos filmes que acompanham este reporte. Rapidamente realizei o processo na noite do dia vinte e três antes de dormir e só deixei para pegar o cartão de embarque no aeroporto pois estou sem impressora

Como já disse, dia vinte e quatro chegou!!! Dormi o que pude por três horas e pulei da cama quatro da manhã. A mala já estava pronta da noite anterior e foi só tomar um banho e um leite e estava pronto para o início da aventura. Na noite anterior ainda tinha dado aulas e combinado com o taxista que me levou até a escola em que trabalho que viesse me apanhar vinte para as cinco da manhã. Pois vinte para a cinco meu interfone tocava e lá estava o taxista, com pontualidade britânica!!

São Paulo apresentava um friozinho gostoso naquele fim de madrugada e após passar pela Avenida Pacaembu, Memorial da America Latina, Marginal Tietê e Rodovia Ayrton Senna chegamos a Guarulhos cinco e quinze da manhã. No balcão da British Airways localizado na asa A, terminal um não havia fila alguma e fui logo atendido com bastante cordialidade pelo funcionário da empresa inglesa que rapidamente despachou minha mala, etiquetou minha bagagem de mão e me deu o cartão de embarque (cartão de verdade!!). O atendente me orientou a nos próximos trechos sempre fazer o check in online e fez as usuais perguntas se eu levava líquidos em minha bagagem de mão. Devemos sempre lembrar que essa história da restrição de líquidos em voos internacionais nasceu da descoberta de planos para atentados contra, entre outras, aeronaves da própria British saindo de Londres onde os terroristas usariam explosivos líquidos para derrubar aeronaves com destino aos Estados Unidos. Logo eu estava liberado do check in e com o cartão de embarque em mãos

Balcão da British Airways em Guarulhos

Bagagem de mão

Cartão de embarque

Ticket da bagagem

Etiqueta de identificação

Ainda tinha um tempinho até o embarque do voo BA247 que teria sua partida as sete e cinco da manhã e subi até o terraço só para ver meu avião chegar. Quantas vezes em Guarulhos vi esse 747 da British chegando e dessa vez iria ser especial pois não ficaria só na vontade, efetivamente voaria nele!!

Partidas internacionais


E as domésticas

Pouca fila havia tanto no raio x como no controle de passaportes da Polícia Federal e logo eu estava na sala de embarque, não sem antes dar uma passadinha pelo Free Shop (embora não tenha comprado nada). Poucos passageiros aguardavam junto ao portão dez onde passageiros da First Class e da Club World (executiva) embarcariam primeiro e pelo lado direito do portão ao passo que os da World Traveller Plus (econômica plus) e World Traveller (econômica), onde este pobre mortal se encontrava, embarcariam após e pelo lado esquerdo.

Sala de embarque

O Jumbo impressiona pelo seu tamanho, ainda mais quando se está ao lado dele e não via a hora para embarcar. Seis e vinte os poucos passageiros são convidados a embarcar no 747-400 prefixo G-BNLT que possui o número de série 24630 e voa na British desde março de 1991, ou seja, um pássaro já com 18 anos.

Recebido a bordo com um “good morning” com o melhor sotaque britânico me dirigi ao meu assento lá no fundo do avião passando pela classe executiva e pela econômica plus. Sentei-me na poltrona 45A por mim escolhida e ao nosso lado havia um 737 da Aerolíneas que seguiria nossos passos até Buenos Aires

Cada assento estava equipado com uma ptv. Mais para frente comentarei sobre a programação de entretenimento de bordo

Sobre o assento também havia um travesseiro e uma manta

Bom pitch entre os assentos e reclino das poltronas, adequado para uma classe econômica de uma aeronave que cumpre voos internacionais. Na World Traveller, muitos lugares vagos, inclusive os ao meu lado indicando que realmente o forte desse voo é o trecho entre Londres e São Paulo e volta. Os comissários logo passaram distribuindo um saco plástico que continha os fones de ouvido para que se pudesse desfrutar da programação a bordo e uma pequena e simpática nécessaire com um par de meias, eyeshades e pasta/escova de dentes. Com certeza um toque especial se consideramos que esta é uma etapa de apenas pouco mais de duas horas e meia de voo

Fones de ouvido (tá, confesso, não devolvi...)

Nécessaire

Conteúdos da nécessaire

O engenhoso conjunto pasta/escova de dentes

Junto aos conteúdos do saco plástico havia também um envelopinho onde os passageiros poderiam depositar a título de doação, aquelas moedinhas que sempre sobram em qualquer viagem e que são impossíveis de trocar nas casas de câmbio. Doações em notas, cheque ou cartão de crédito também eram aceitas pela campanha Change for Good da British Airways em conjunto com a Unicef. Bela iniciativa!!!

Terminando de explorar a parte do Jumbo que me cabia, ou seja, meu assento, mostro-lhes o conteúdo do bolsão da poltrona a minha frente com a revista de bordo High Life

O guia do Duty Free Shop de bordo

O saco de enjôo

E o safety card

E veja a cara de alegria deste que vos narra este reporte

E algumas da cabine enquanto nos preparávamos para a partida

Uma tripulação composta por comissários ingleses mas também argentinos e brasileiros atendia com muita cortesia os passageiros deste voo. Nota-se na atitude e nos gestos dos comissários que há um algo mais, ou seja, que são comissários de uma grande empresa aérea internacional com anos e anos de tradição. Desculpem-me pelo ataque de saudosismo mas a classe dos comissários da British me lembrou os da Varig dos bons tempos.

É louvável a preocupação da British (e de outras grandes empresas aéreas) de colocar comissários a bordo que falem a língua de parte dos passageiros (no caso desse voo, espanhol e português) e não somente o inglês. Importante frisar também que todos os anúncios de bordo foram feitos em inglês, espanhol e português sendo o espanhol falado por uma argentina e o português por um brasileiro, ou seja, completamente inteligíveis e não uma tentativa tosca como ocorre em muita empresa por aí.

Vídeo do speech de boas vindas a bordo feito em português pelo comissário brasileiro

http://www.youtube.com/watch?v=iqcB01vC0V8

Já próximos da partida e com as portas fechadas o nosso comandante, o Sr George McConnell nos fez um speech se apresentando, nos dando as boas vindas a bordo e nos passando algumas informações sobre nossa partida e nosso voo. Após o speech do comandante em inglês os comissários repetiram as informações em português e espanhol. Aqui o vídeo com o speech do comandante McConnell

http://www.youtube.com/watch?v=248frTr9V0Y

Poucos minutos depois estávamos prontos para o pushback. Foi exibido o vídeo com as instruções de segurança que pode ser visto aqui

http://www.youtube.com/watch?v=aSgGy6BN6nc

Como curiosidade, a música que aparece no início e no final do vídeo se chama The Flower Duet e é o tema musical da British Airways aparecendo com freqüência em propagandas da empresa como esta bastante interessante

http://www.youtube.com/watch?v=QbKJTx1XeVw

E aqui a música em si (simplesmente linda!!!)

http://www.youtube.com/watch?v=gR85R1sv94g

Iniciamos o pushback e os enormes motores Rolls Royce do jumbo britânico ganhavam vida

Aguardando nossa vez para ingressar na 09L passa por nós um velho conhecido, o PT-MVC, primeiro A330 da Tam em que voei. A Carol Erthal carinhosamente chama esse avião de Papa Tango Mike Voa Carolzinha, hehehehe!!!

Checando comandos de voo

Cabin crew, please take your seats for takeoff!! E lá vamos nós rumo a Mi Buenos Aires Querido!!!

http://www.youtube.com/watch?v=0d0-qqIxQH0

Acima da camada de nuvens um céu completamente azul

Assim que os avisos de apertar cintos foram apagados os comissários iniciaram suas tarefas com vistas de servir o café da manhã aos passageiros. Passaram distribuindo uma caixinha de lanche de papelão que continha uma saladinha de frutas com mamão, melão e abacaxi, um bolo doce e um sanduíche de presunto e queijo cremoso que apesar de frio estava muito bom. Para beber havia uma boa quantidade de opções, Ginger Ale, Coca Cola, Coca Cola Diet, 7Up, Fanta, Schweppes, sucos de tomate, maçã e laranja, água, café e como não poderia deixar de faltar em um avião inglês, um bom English Tea. Confesso que não prestei atenção se havia bebidas alcoólicas neste voo embora acredite que sim, pois foram oferecidas no voo de volta. Detalhe interessante as simpáticas latinhas de refrigerante que eram ofertadas de duas em duas pelos comissários a quem desejasse. Fiquei na Coca Cola habitual e no típico “chafé” inglês que só piorou com a adição de creme.

Quando a comissária veio recolher minha caixinha de lanche e copo perguntei se seria possível após o pouso em Ezeiza que o comandante autorizasse uma foto da cabine de comando. Muito educadamente a comissária recusou meu pedido alegando normas de segurança da empresa. Well, rules are rules e a conclusão é que infelizmente um bando de fundamentalistas malucos conseguiram após 11 de setembro de 2001 transformar o mundo em um lugar mais chato, criando desconfiança sobre tudo e todos

Vídeo mostrando a aeronave por dentro em voo

http://www.youtube.com/watch?v=pQEAX74-Rbs

Passei agora a explorar com mais carinho o sistema de entretenimento de bordo que se não chega a ser um KrisWorld da Singapore Airlines me pareceu bastante bom e com opções suficientes para divertir o mais aborrecido dos passageiros em um voo longo. A tela inicial aparece com seis opções de canais: Movies, Tv, Audio, Skyfliers Kids (para pirralhos), Your Journey e High Life Review, uma espécie de revista eletrônica

Entrando em cada uma destas opções iniciais o passageiro chega a sub menus como podemos ver aqui por exemplo na opção Movies

Novos lançamentos, comentários, filmes de catálogo, para crianças e por língua (dublados). Se quiser em português por exemplo, podemos ver

Escolhendo Tv no menu principal chega-se a

Notícias?? Comédia?? Esportes?? Tem um pouco de tudo. Em esportes por exemplo...

E para acalmar as amáveis criancinhas?? É só selecionar a opção Skyfliers Kids

Está afim de uma musiquinha?? Muitas opções na opção Audio que inclusive vão além da música

CDs, rádios, dicas de bem estar a bordo e textos narrados são algumas das opções de áudio. Se escolhermos a opção CD, mais um submenu se abre com opções de rock, música clássica, opera, jazz e blues, world music e country music, entre outros

Last but not least há no menu principal a opção Your Journey com o air show, informações sobre o serviço de bordo, duty free a bordo, chegadas e imigração (vídeos mostrando os procedimentos a seguir em cada aeroporto), bem estar a bordo e uma pesquisa interativa de avaliação do sistema de entretenimento.

Ao escolher a opção Moving Map (air show) chega-se a estas telas

Depois de ficar como um maluco fotografando a telinha para a confecção deste reporte deixei a câmera de lado, peguei meu fone de ouvido e fiquei curtindo um Buena Vista Social Club. A essa altura os comissários já passavam distribuindo os formulários de imigração para ingresso na Argentina

Claro que não poderia deixar de levantar para tirar as tradicionais “lavatory pictures” que aqui vão

Porta

Pia

E é claro...

A cabine da World Traveller em voo

Esta interessante plaqueta estava fixada no fundo da aeronave junto à estação de um dos comissários explicando que a bandeira do Reino Unido, também conhecida como Union Flag ou Union Jack, foi inicialmente criada em 1606 para representar a união da Escócia com a Inglaterra unindo as cruzes de St George (inglesa) com a de St Andrew (escocesa). Em 1801 quando a Irlanda do Norte foi incorporada ao Reino Unido foi adicionada a cruz de St Patrick. De fato se sobrepormos as bandeiras de Inglaterra, Escócia e Irlanda do Norte o resultado é a Union Jack. Faltaria ainda o dragão que simboliza o País de Gales que não está representado na Union Jack

Filtro de água na porta de um dos lavatórios

Entrada do crew rest

Voltei ao meu assento e passei o resto do voo assistindo uma coisa aqui e outra acolá no sistema de entretenimento de bordo enquanto prosseguíamos rumo sul

Vi um pouco de Slumdog Millionaire, um pouco de Piaf e logo já estávamos sobrevoando o Uruguai

Da cabine de comando veio o speech dizendo que mais quarenta minutos e estaríamos pousando em Buenos Aires que apresentava bom tempo. Os comissários fizeram outro speech alertando que em vinte minutos os avisos de apertar cintos seriam ligados e que quem desejasse usar o lavatório que aproveitasse para fazê-lo agora. Eu não precisava ir ao banheiro, mas levantei-me para ir até a galley e pedir um suco de tomate no que fui gentilmente atendido pela comissária inglesa

Vinte minutos para o pouso e os avisos de apertar cintos foram ligados. Os comissários passaram recolhendo os fones de ouvido e checando se os passageiros tinham os cintos atados, as poltronas na vertical e as mesinhas travadas. Durante o speech os comissários pedem que não sejam usados fones de ouvidos, mesmo os individuais e recomendam que os passageiros recordem no safety card a localização das saídas de emergência. O Rio dAdicionar imagema Prata desfila abaixo da asas do jumbo com o Uruguai e a Argentina visíveis.

Já sobre a Gran Buenos Aires

Pouso perfeito em Ezeiza!!!

http://www.youtube.com/watch?v=sJsH7Zrj7dk

Tivemos ao livrar a pista que esperar parados na taxiway por alguns minutos pois não havia posição disponível para o estacionamento da aeronave

Ao taxiar pudemos avistar algumas aeronaves no solo como um 767 da Air Europa, um 767 da Delta Airlines, alguns 737-500 da Aerolineas e Mad Dogs da Austral além dos 747-200 da Aerolíneas e um 737-200 da Southern Winds abandonados do outro lado da pista. Além desses taxiava um A320 da Tam para decolar e um 747-400 também da Aerolíneas Argentinas

E ainda um 767 da Continental Airlines

E um A340 da dona da casa

Paramos no gate e interessante o comentário, imagino eu do Cabin Service Manager, o chefe de equipe de comissários, pelo PA para o resto da tripulação: “Crew, thanks very much for the hard work!!”. Achei muito legal!!

Como sempre esperei que o pessoal se levantasse e desembarcasse para poder tirar umas últimas fotos a bordo, a cabine da World Traveller Plus

A Club World

E ao chegar à porta de saída pedi se poderia fotografar a cabine da First Class no nariz do avião. A comissária muito amavelmente me autorizou e inclusive perguntou se eu não queria que ela tirasse uma foto minha em um dos assentos. Aceitei, vai saber quando terei a oportunidade de “abundar-me” em um assento desses novamente...

Desembarquei pelo finger e ainda tirei uma última do G-BNLT que poucas horas depois retornaria a São Paulo e a Londres

A fila no controle de passaportes de Ezeiza estava longa e durou uns bons vinte minutos. Após ter minha entrada oficializada na Argentina passei a recolher a bagagem que já estava disponível na esteira. Desembarquei e como devido ao atraso causado pela demora no estacionamento da aeronave e pela fila do controle de passaportes havia perdido o transfer que me levaria ao hostel não restou outra opção senão tomar o ônibus da Manuel Tienda León para o terminal da empresa em Puerto Madero, não sem antes trocar alguns reais por pesos. Quase uma hora depois de ônibus e cheguei ao tal terminal de onde em mais dez minutos a pé estava na estação de trens de Retiro onde peguei o “subte” (metrô) para o hostel que se encontrava na Calle Florida quase esquina com a Corrientes, em pleno centro de Buenos Aires. Estava pronto para aproveitar o máximo possível minha estadia na Argentina!!!

Continua...